Casamento

Renata e Willian

Casamento Civil: Tudo o que você precisa saber

A gente sabe que casar é uma experiência tão maravilhosa, inclusive o casamento civil!

Organizar a cerimônia e a festa algumas vezes parece até as partes mais fascinantes do casamento, mas não podemos deixar de lado a parte burocrática, que é o casamento civil. Já que é nele que os noivos assumem um juramento perante a justiça, revelando o desejo de estarem juntos.

E é justamente quando você está prestes a dar esse grande passo e dizer "sim" ao amor da sua vida, que é necessário saber o que é preciso para que isso aconteça.

Como funciona o processo de divisão de bens? Padrinhos da cerimônia civil? Tipos de casamentos judiciais? Aposto que essas e outras perguntas já passaram pela sua cabeça.

A princípio parece bastante coisa, não é mesmo? Mas pode ficar tranquilo, a gente está aqui para auxiliar você.

Então pegue um bloquinho e uma caneta para anotar cada detalhe.

1 - Diferenças entre casório civil e na igreja 2 - Tipos de Casamentos 3 - Regime de Bens 4 - Perguntas e Respostas 5 - Vou casar na igreja. O que eu preciso saber?

1- Diferenças entre casório civil e na igreja

Ambos são lindos e significativos na vida de um casal que se ama. Porém é preciso analisar e pensar com calma, para ver o que é vantajoso para vocês dois.

Por exemplo, você pode preferir realizar apenas o casamento no civil, devido as despesas e gastos e por ser algo mais íntimo e acolhedor. Invés de fazer um casório na igreja, que é algo que exige bem mais planejamento.

Isso pode variar muito e vai de acordo com o gosto particular de cada pessoa.

Um fator importante é as tradições familiares, pois a maioria dos pais esperam levar seus filhos até o altar de uma igreja. E isso influencia.

Depende também da quantidade de convidados que gostariam que participassem de um momento como esse e muitas vezes até por motivos de orçamento apertado, fazendo que um se torna mais atrativo que o outro.

Aliás, os documentos exigidos para o casamento civil ou casamento na igreja são diferentes também, então ao decorrer do artigo vou explicar melhor. Ok?

  • Enquanto de um lado você encontra uma cerimônia mais discreta (que é o civil), podendo levar apenas quem é realmente próximo de vocês dois, há também o grande sonho de entrar na igreja com o vestido de noiva.

O casamento na igreja exige uma cerimônia maior, mais tempo e envolvimento na organização. É preciso ter dedicação, paciência e muito, muito controle, para que dê tudo certo.

Claro que existem as opções de cerimônias ao ar livre, praias, montanhas, no exterior, ou em lugares inusitados. O clássico casório na igreja ainda vive no pensamento de muitas noivinhas.

É importante definir e reservar a data com antecedência, que geralmente pode ser feita um ano e meio antes, dependendo do local. Para que seu casamento na igreja tenha efeito civil, você deve levar um juiz de paz do cartório.

2 - Tipos de Casamento

Agora vou esclarecer as diferenças entre os tipos de casamento, confira qual está de acordo com o que você planeja.

Lembre-se, é importante entrar em contato com o cartório para verificar quais os documentos necessários, pois podem variar dependendo o tipo de casamento e do local da cerimônia.

Casamento no cartório

Esse tipo de casamento, costuma ser um dos mais procurados. Para realizá-lo você deve se apresentar no cartório mais próximo, com a antecedência de 30 a 60 dias da data da cerimônia e solicitar a habilitação do casamento, ou seja, a verificação de que ambos estão livres para casar.

Os documentos que devem ser apresentados são os seguintes:

– Certidão de nascimento atualizada

– Documentos de identificação (RG, CPF ou CNH)

– Declaração verbal do local

– Data de nascimento dos pais dos noivos

Casamento religioso com efeito civil

Antigamente era normal casar primeiro no civil e depois no religioso. Porém, hoje é possível realizar apenas uma cerimônia religiosa com efeito civil. Mas como fazer isso?

Primeiramente vocês devem comparecer ao cartório com os documentos, duas testemunhas e com o requerimento da igreja mostrando que o casamento terá efeito no civil.

Esse documento deve estar assinado e reconhecido pelo celebrante. A partir disso, o cartório já pode emitir a Certidão de Habilitação, que você deve entregar ao celebrante antes do casamento, então ele poderá fazer o Termo de Religioso com Efeito Civil.

Após a cerimônia, é necessário levar esse último documento para registro no cartório. Ou seja, nessa opção de casamento, o processo ocorre dentro da cerimônia

Casamento em diligência

Se você prefere um casamento num local mais familiar, essa talvez seja a opção perfeita.

Nesse tipo de casório o juiz de paz vai até o local que os noivos escolheram para realizar a cerimônia, seja um salão de festa ou um buffet, por exemplo.

Mas e como funciona? É simples, primeiro vocês devem ir até o cartório com os documentos necessários para o casamento civil e solicitar o pedido de habilitação de casamento. Depois, só entrar com o pedido de casamento em diligência no próprio cartório.

Conservação de união estável em casamento

Se você já convive com seu noivo, essa opção pode estar de acordo com o que procuram.

É um tipo de casamento que não necessita de um juiz de paz, pois não existe uma cerimônia formal.

Os documentos exigidos para dar entrada nessa opção são os mesmos ditos anteriormente, porém o prazo é menor. Após 16 dias da solicitação, vocês já podem retirar a certidão de casamento no cartório, passando a valer a partir da data que essa certidão foi expedida.

3 - Regime de bens

É importante que você e seu noivo decidam se querem que os bens sejam divididos ou não. Para entender melhor, separei o principal conceito de cada um, assim você poderá analisar um pouquinho melhor como funciona o regime de bens.

Comunhão parcial de bens

Nessa opção todos os bens que você adquiriu após a data do casamento se tornam comuns a vocês dois.

Porém aquilo que vocês conquistaram individualmente, antes do casamento, continua sendo de cada um. E caso algum de vocês receba herança ou doação, será dividido.

É importante lembrar que tudo que for adquirido durante o casamento pertence aos dois, mesmo que esteja no nome de apenas um de vocês.

Comunhão universal de bens